Realidade virtual chega à terapia para tratar fobias e ansiedade

Parece episódio dos Jetsons, mas é apenas a tecnologia sendo bem empregada <3

Imagine a situação: você procura uma psicóloga para tratar ansiedade ou alguma fobia e, na primeira consulta, ela lhe oferece parte do tratamento em sessões de realidade virtual. Assim, de cara, pode parecer estranho, né? Mas é uma tendência: já são mais de 300 profissionais no mundo todo aproveitando esse auxílio tecnológico com seus pacientes.

Leia também: 11 motivos por que fazer terapia pode ser incrível

No Brasil, uma das pioneiras no uso da realidade virtual em terapia para fobias e ansiedade é a psicóloga Nataly Martinelli. Conversamos com ela para entender melhor como funciona esse negócio de colocar óculos no rosto dos pacientes, exibir imagens do que lhes causa fobia ou ansiedade e monitorar suas reações àquilo que precisa ser tratado.

 

Para começar, quais são os casos passíveis de tratamento com realidade virtual?

Nataly – São muitos: síndrome do pânico, fobia de viajar de avião, fobia de injeções e agulhas, fobia de animais, medo de dirigir, medo de falar em público, agorafobia [medo de estar em lugares ou situações que possam causar constrangimento ou pânico], medo do escuro, claustrofobia [medo de ficar em ambientes fechados], TOC [transtorno obsessivo compulsivo], ansiedade e ansiedade antes de exames ou provas.

Qual é a vantagem de usar realidade virtual em um tratamento psicológico? O que ela oferece que a “realidade real” não é capaz de oferecer?

No tratamento convencional de fobias e ansiedade, o enfrentamento do medo é feito pela imaginação, com situações sendo sugeridas e o paciente pensando nelas. Só lá no final pode haver uma saída a campo, monitorada, para a pessoa vivenciar tudo de uma vez. O tratamento com realidade virtual é mais imediato e intenso, porque as situações são colocadas diante dos olhos do paciente, literalmente, nas imagens exibidas nos óculos.

Como a pessoa consegue ver cenas vívidas do que causa fobia ou ansiedade sem que isso lhe cause ainda mais pavor ou sensações ruins?

Ela vai enfrentando aos poucos e eu controlo todo o processo, para ser gradativo. Controlo inclusive as características do ambiente, como a temperatura do consultório, para se adequarem à situação que é mostrada nas cenas dos óculos. É como em um videogame, o paciente passa por fases. E só passa para um nível mais avançado de sensibilização quando já tiver assimilado aquele nível em que ele estiver, já estiver pronto para algo mais.

De que maneira você sabe que ele está pronto para avançar? Como se mede isso?

Além dos óculos, o paciente usa eletrodos colocados no dedo indicador e no dedo médio. Uso uma ferramenta de bio-feedback que roda no computador durante toda a sessão e mede o suor, a tensão e a ansiedade, em ondas. Analiso a tendência das variações, se esses sinais estão subindo e em que velocidade. Quando eles começam a estabilizar, significa que ele está pronto para seguir adiante.

A psicóloga Nataly Martinelli demonstra o uso da realidade virtual na terapia

A psicóloga Nataly Martinelli demonstra o uso da realidade virtual na terapia (Nataly Martinelli/Divulgação)

E se o desenvolvimento for pelo outro caminho e esses sinais subirem muito e muito rápido?

Daí eu preciso intervir e interromper a simulação. Mas não é abrupto, é bem numa boa. Mando a mensagem por escrito, pela tela dos óculos, que é hora do relaxamento. Começamos a fazer respiração diafragmática, para diminuir o nível de estresse, e um relaxamento muscular progressivo.

Já aconteceu de algum paciente pedir para parar, por estar achando tudo forte demais?

Não, nunca chegou a esse ponto, porque eu sempre consigo controlar pela ferramenta e pelo monitoramento. Por isso é tão importante o acompanhamento atento. Mas já aconteceu de uma paciente relatar que tinha reações fisiológicas muito intensas depois das sessões. Em resumo, ela precisava ir direto para o banheiro. A simulação nos óculos é realmente muito intensa, viva, real.

Nessa parte de realidade virtual, o tratamento fica à mercê do computador? O que acontece se ele falhar?

O funcionamento do programa depende do computador e da internet, sim. É muito raro falhar, muito raro mesmo, mas já aconteceu. Daí parto para o plano B, que é fazer uma sessão convencional de terapia, com hipnose e técnicas de relaxamento. Sempre tenho os planos B e C para as sessões. A tecnologia é maravilhosa, sem dúvida, mas não podemos ficar reféns dela.

Se a parte tecnológica colabora, a realidade virtual é obrigatória em todas as sessões desse tipo de tratamento?

Não, de forma alguma. Há vezes em que a pessoa chega querendo conversar sobre alguma situação que viveu relacionada à sua fobia ou à sua ansiedade, e daí essa será uma sessão de escuta, tradicional. Nada deve ser obrigatório ou linear em terapia.

Que público mais procura tratar suas fobias e ansiedade por meio da realidade virtual? Qual é o perfil mais aberto a essa abordagem?

Mulheres, sem dúvida, porque as mulheres no geral são mais abertas à terapia. Os homens ainda têm um pouco de receio de procurar ajuda, infelizmente. A faixa etária é de jovens profissionais até idosos. O que muda são os motivos da procura. Há quem tenha acabado de entrar em um emprego que vai exigir muitas viagens de avião, e por isso precisa superar a fobia. Há quem não aguente mais ter fobia de insetos, por exemplo, depois de uma vida inteira com isso dentro de si.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s