Técnicas voltadas para o conhecimento do corpo melhoram a sua saúde

Práticas corporais mais suaves, como o método Feldenkrais, a técnica de Alexander e o rolfing, ajudam as mulheres a aumentarem a consciência corporal e melhorarem a aptidão física. Saiba mais na BONS FLUIDOS de agosto

A consciência pelo movimento: técnicas suaves ajudam você a desenvolver o alinhamento e a força
Foto: Reprodução

Toda forma de movimento vale a pena. É o que aponta uma matéria especial da revista BONS FLUIDOS de agosto. Especialistas, sem preconceito algum, garantem que sempre podemos variar as fontes para o aprendizado do corpo. “O importante é que cada pessoa encontre o método com o qual se identifica. Para não parar logo depois do primeiro mês”, diz a fisioterapeuta Gerseli Angeli Silva, de São Paulo.

Aliás, nem toda hora é de estica, pula e corre. Às vezes, porque estamos num momento mais introspectivo da vida, ou por opção, uma questão de gosto pessoal, o ritmo de atividade física precisa ser mais suave. Queremos menos agitação, menos academia, tudo menos. Quando exercícios pesados estão longe de seu ideal de treino, você pode – e deve -, por exemplo, dar um tempo exercitando o corpo de uma maneira que ainda não tentou. Que tal experimentar algo inusitado como a técnica de Alexander, o método Feldenkrais ou até mesmo o rolfing?

Os três métodos citados visam aumentar a consciência corporal. E qualquer técnica que faça isso, bem orientada por um profissional, melhora a aptidão física – a capacidade de realizar um trabalho muscular de maneira satisfatória. Qualidade fundamental para enfrentar os dias de hoje.


Uma trama tão delicada

Técnicas voltadas para o conhecimento do corpo melhoram a sua saúde

A técnica do patchwork cria mais peça vivas e originais. Sua prática exercita a criatividade da mente e expande o mundo interior
Foto: Reprodução

Está procurando um novo hobby? Confira esta dica da edição 149 da BONS FLUIDOS:

Com capricho e paciência, é possível criar lindas peças artesanais valendo-se do patchwork, técnica de costura que reutiliza sobras de tecidos. Uma agradável maneira de exercitar a criatividade, alinhavar pontes com o mundo interior e ainda tecer amizades. “A costura estimula a concentração e acalma o sistema nervoso. Ao silenciarmos, passamos a respirar de forma compassada.” Explica Irene Maia, coordenadora da área de patchwork do SENAC.

Novos caminhos para ficar de bem com a vida

Técnicas voltadas para o conhecimento do corpo melhoram a sua saúde

Conheça o mapa integral, uma poderosa ferramenta para ajudá-la a resolver seus impasses pessoais
Foto: Reprodução

Empresários, educadores, cientistas, psicólogos, médicos e engenheiros estão cada vez mais envolvidos com os ensinamentos do filósofo americano Ken Wilber. O motivo é a elaboração de um mapa do potencial humano capaz de nos ajudar em qualquer travessia, seja rumo ao autoconhecimento, em direção ao outro, seja na atenção ao planeta.

Segundo Wilber, todos os eventos do cotidiano deveriam ser observados sob quatro perspectivas. “O ponto de partida da teoria wilberiana é compreender o homem não apenas filosófica e intelectualmente, mas social, biológica e espiritualmente”, diz Ari Raynsford, engenheiro naval, nuclear e mecânico, que se tornou um dos maiores divulgadores do pensador no Brasil. Por que essa divisão? “Por uma questão bem prática: a vida fica mais fácil à medida que nós nos conhecemos melhor.”

Para ninguém se perder pelo caminho de tantos raciocínios, Wilber criou um mapa detalhes. Dividiu-o em quadrantes para melhor organizar – e abraçar – todo o conhecimento humano. Assim, fica mais fácil valorizar cada aspecto, exercitá-lo e, com isso, acelerar o próprio desenvolvimento.

Entenda as quatro perspectivas que estão dentro do quadrante:

Interior do indivíduo: O eu e a consciência; percepções, sentimentos, memórias; senso de si mesma; mente; âmbito psicoespiritual; campo conhecido pelas experiências próprias.

Exterior do indivíduo: O cérebro e o organismo; corresponde às características físicas e comportamentais; como se dão as relações interpessoais; habilidades motoras; âmbito biológico; campo conhecido pela observação.

Interior do coletivo: Cultura e visão de mundo; valores compartilhados; história, língua, família; comportamento esperado diante da cultura em que vive; campo conhecido pela ressonância mútua.

Exterior do coletivo: Sistema social e ambiente; leis, políticas e processos; instituições; tecnologia de ponta; sistema econômico; regras da comunidade; campo conhecido pela análise sistêmica.

Gostou? Na BONS FLUIDOS de agosto você encontra um roteiro super completo sobre como aplicar esta prática no dia a dia.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s