Verdades e mitos sobre o HPV: saiba como se prevenir

Adultos e adolescentes já podem se vacinar! Descubra o que é real e o que é lenda sobre o vírus e a vacina

Está em dúvida quanto a se vacinar contra o HPV? Descubra aqui as principais dúvidas sobre o vírus, os mitos e as verdades sobre a transmissão e quais as melhores formas de se proteger.

Existem vários tipos de HPV?
VERDADE
Papilomavírus humano ─ ou HPV, na sigla em inglês ─ é o nome genérico para um grupo de mais de 200 tipos de vírus. O HPV costuma se “esconder” na pele e nas áreas que têm mucosas, como boca, vagina, pênis, bolsa escrotal e ânus. Por isso, é facilmente transmissível.

O vírus causa câncer?
VERDADE

Um dos tipos de câncer que mais preocupam é o do colo do útero. No Brasil, são registrados 15 mil novos casos e 5 mil mortes por essa doença todos os anos. Em mulheres e homens o HPV também é causa de câncer na boca, no reto e no ânus, entre outros tipos de tumores malignos.

É fácil de identificar?
MITO

A infecção pelo vírus HPV pode passar anos sem apresentar qualquer sintoma, o que dificulta a identificação. Alguns HPVs causam verrugas mais frequentemente na região genital, percebidas visualmente e no toque. E isso é mais comum do que imaginamos: no Brasil, são cerca de 1.900.000 casos por ano! Outros podem provocar alguns tipos de câncer. No caso do câncer do colo do útero e de ânus, os primeiros sinais são lesões que a gente não vê e nem sente no início. O exame Papanicolaou, que deve ser realizado todos os anos, serve exatamente para identificar as lesões no colo do útero antes que elas virem câncer. Infelizmente, algumas vezes, esse exame gera um resultado ‘falso negativo’. No caso do câncer de anus, não é comum fazer exame de rotina para acompanhar lesões que indiquem a possibilidade desse tipo de problema, o que dificulta o diagnóstico precoce.

Camisinha previne 100%?
MITO

Como o HPV pode se “esconder” em diversas áreas de pele e mucosa, o contato dessas áreas, mesmo quando não há penetração, pode transmitir o vírus. Mas alto lá, hein? Isso não significa que você possa abrir mão da camisinha. Muito pelo contrário! Ela diminui o risco de pegar HPV e é muito eficiente para prevenir outras doenças, como Aids, gonorreia e sífilis.

A vacina oferece risco à saúde?
MITO
A vacina é segura, eficaz e recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e por sociedades médicas como a de imunizações (SBIm), de Pediatria (SBP), de Infectologia (SBI) e de ginecologia e obstetrícia (Febrasgo). Os efeitos colaterais são raros e passageiros. Os mais comuns são dor, calor, vermelhidão e inchaço no local da injeção. Ou seja: nada diferente do que pode acontecer após a aplicação de outras tantas vacinas.

A vacina é apenas para meninas jovens?
MITO
A vacinação, quando é feita antes do início da vida sexual, oferece mais de 90% de eficácia: por isso é importante vacinar meninas ─ e também meninos ─ de 9 a 13 anos. Como o foco do governo é a prevenção do câncer do colo do útero, a vacinação gratuita está disponível apenas para as meninas. Mesmo assim, adolescentes fora dessa faixa etária e meninos, mulheres e homens também podem se proteger. Basta procurar uma clínica particular certificada pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). Mesmo que a pessoa já tenha tido algum tipo de HPV, a vacina pode proteger de outros tipos e também da reinfecção.

Está na dúvida sobre a importância de se vacinar contra o HPV? Pois saiba que 99,7% dos casos de câncer do colo do útero estão relacionados com esse vírus. Este é o terceiro tipo de câncer que mais mata mulheres no Brasil – a cada ano, aproximadamente 5 mil são vitimadas pela doença. Em contrapartida, 70% do total de casos podem ser prevenidos pela vacinação. E quem já teve HPV também deve se vacinar: recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)  liberou a vacina para mulheres com mais de 26 anos.

Para saber mais, acesse: www.ondacontracancer.com.br.